10.1 C
Pontevedra
Luns, 26 de Febreiro de 2024
Máis
    HomeComarcasAlén da RaiaConferência 'Bienal Internacional de Arte de Cerveira. Uma História no Feminino'

    Conferência ‘Bienal Internacional de Arte de Cerveira. Uma História no Feminino’

    O Município de Vila Nova de Cerveira dinamiza, esta sexta-feira, 17 de setembro, às 15h00, uma conferência centrada nos contributos e na relevância das mulheres para a história da Bienal Internacional de Arte de Cerveira. Devido à Covid-19, o evento decorre no Palco das Artes, mas em formato duplo: presencial, mediante convite, e online com transmissão nas redes sociais.

    Enquadrada no Projeto Âncora “PA2. Touring Cultural – Identidade Cultural do Minho”, o “Ciclo de Conferências sobre Estórias do Minho” abrange 24 momentos de debate dedicados à Identidade Cultural do Minho, com os atores sociais, políticos e culturais dos 24 concelhos do Minho.

    Apesar da história da Bienal Internacional de Arte de Cerveira ser contada sobretudo por mulheres, a importância de artistas, críticas, curadoras e teóricas das mais diversas áreas para a consolidação deste evento no panorama artístico nacional é pouco explorado e não tem sido devidamente reconhecido. Assim, e sob uma perspetiva feminista, o desafio lançado é o de incitar à reflexão, procurando evidenciar e documentar a relevância das mulheres para a história da Bienal, assim como construir uma nova narrativa da relação Bienal – Vila Nova de Cerveira.

    O evento “Bienal Internacional de Arte de Cerveira. Uma História no Feminino” é constituído por duas conferências, seguidas da estreia de um documentário sonoro.

    As conferências serão realizadas pelas Doutoras Márcia Oliveira e Fátima Lambert que terão como objetivos específicos enquadrar a discussão num debate mais alargado sobre o desenvolvimento de uma perspetiva feminista no interior da história da arte portuguesa, por um lado, e analisar a história da Bienal e a sua própria existência e identidade através da intervenção de mulheres artistas e não artistas, curadoras, críticas, teóricas, por outro lado. As conferências darão origem a dois textos a serem publicados, posteriormente, pelos organizadores do “Ciclo de Conferências sobre Estórias do Minho”. Já o documentário sonoro é constituído por depoimentos pessoais de mulheres artistas e de mulheres de Vila Nova de Cerveira.

    Com o apoio institucional do CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória», o evento “Bienal Internacional de Arte de Cerveira. Uma História no Feminino” realiza-se esta sexta-feira, dia 17 de setembro, a partir das 15hh00, no Palco das Artes. A transmissão online é feita através do canal Youtube do Município de Vila Nova de Cerveira ou na página do Facebook.

    Informação sobre as conferencistas:

    • Márcia Oliveira – Investigadora Integrada no CEHUM – Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho, onde integra o GAPS, Grupo de Investigação em Género, Artes e Estudos Pós-Coloniais;
    • Fátima Lambert: Doutoramento em Estética (Filosofia); Mestrado em Estética (Filosofia); Licenciatura em Filosofia – Faculdade de Filosofia de Braga (UCP). Coordenadora da Comissão para o Ensino Artístico no Ministério da Educação (1996/1997); Investigadora da FCT – Projeto “Writing and Seing” (2001/2004); Professora coordenadora em Estética e Educação na Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto; Coordenadora daUTC de Estudos Culturais e Sociais e do Curso de Gestão do Património, coordenadora do Núcleo de Estudos Artísticos e do Património (NEAP – InEd/ESE); Orientadora de várias teses de Doutoramento na FBAUP, Univ do MInho, Univ. de Vigo e de dissertações de Mestrado na FBAUP; Membro das Comissões Científicas: do InEd (Centro de Investigação em Inovação na Educação/ESE – Porto) e do IHA (Instituto de História de Arte da FCSH da Universidade de Lisboa) e investigadora integrada da linha de “Museum Studies”; Membro do Adviser Comitee da Dardo Magazine – Arte Contemporânea (Santiago Compostela). Autora de vários livros, textos, artigos em revistas científicas; Conferencista, curadora independente e Crítica de Arte (AICA). Colabora com a Bienal Internacional de Arte de Cerveira desde 1995, como comissária, membro do júri, conferencistas, etc.

    LIBROS

    Dores Tembrás, «Enxertos»

    A nostalxia é unha materia prima habitual á hora de escribir poesía, mais non fai falla chegar a tanto. Se, a cotío, esa nostalxia leva implícita certa dose de tristura morriñenta para lembrar tempos pretéritos, non sempre ten que ser así, como demostra Dores Tembrás no seu último poemario, «Enxertos». Dores mergúllase na súa propia memoria, na súa infancia na aldea e na mocidade urbanita, para poñer en práctica unha modalidade de nostalxia leda e luminosa, alonxada de tristuras e saudades

    Queridos Reis Magos…

    Nas cartas aos Reis Magos de Oriente nunca debe faltar unha boa dose de literatura, sexa cal sexa a idade do receptor. Neste andel, como facemos sempre, queremos aportar algunhas recomendacións dirixidas aos máis pequenos da casa.

    Fran Fernández Davila, «Groenlandia»

    A Fran Fernández Davila gústalle sorprender cos seus traballos literarios, descolocar ao lector para levalo por paisaxes pouco transitadas física e emocionalmente, escapar da rutina diaria e, cunha forte carga de imaxinación, argallar historias nas que a intriga e o humor acaban por se converter en personaxes convidadas da trama.