17.7 C
Pontevedra
Xoves, 21 de Outubro de 2021
Máis
    HomeComarcasAlén da Raia‘Vila das Artes’ homenageia ‘o eterno mestre dos inquietos’ com Pintura Mural

    ‘Vila das Artes’ homenageia ‘o eterno mestre dos inquietos’ com Pintura Mural

    A mesma pessoa, em dois períodos de vida distintos. O Município de Vila Nova de Cerveira e a Zet Gallery inauguram, este sábado, uma pintura mural de homenagem ao artista Henrique Silva pela ligação umbilical à Bienal Internacional de Arte de Cerveira. Com esta obra da autoria de Juan Domingues, plasmada numa das fachadas do Cineteatro de Cerveira – Marreca Gonçalves, completa-se a trilogia de eternização dos fundadores da Bienal e do conceito de ‘Vila das Artes’, através da arte interventiva e interativa com a comunidade.

    À entrada da vila, num edifício histórico e junto ao rosto do Mestre José Rodrigues, surge um novo mural de 10m, com dois rostos do carismático artista Henrique Silva, na juventude e na atualidade. Em progresso desde o dia 10 de julho, e com inauguração agendada para este sábado, às 10h00, o artista plástico venezuelano, filho de emigrantes portugueses, inspirou-se no livro de Paula Alcântara Carreira, intitulado “Henrique – As múltiplas vidas de um homem só, uma biografia possível do pintor Henrique Silva”, para retratar o passado e o presente daquele que considera ser ‘o eterno mestre dos inquietos’, captando-lhe o olhar sincero e inquieto, e uma eterna incapacidade de resignação.

    Atualmente, com 88 anos de idade, Henrique Silva foi um dos impulsionadores das bienais de Cerveira, tendo sido diretor das Bienais de Cerveira entre 1995 e 2007. Em dezembro de 2013 foi nomeado vice-presidente da FBAC e coordenador cultural, tendo também assumido funções de diretor artístico da XVIII Bienal de Cerveira (2015). Com uma vida dedicada às artes, Henrique Silva tem um vasto e meritório percurso artístico espalhado pelo mundo, assim como na partilha de conhecimentos e experiências na área da educação ao nível superior.

    A presente pintura mural ‘Homenagem ao Eterno Mestre dos Inquietos’ integra um projeto inédito em Portugal, consubstanciado na maior rede de residências artísticas que abrange os 24 municípios representados pelas três Comunidades intermunicipais da região do Minho, numa estratégia concertada que se destina a reforçar a identidade cultural do Minho e, desta forma, a dinamizar o território do ponto de vista artístico e turístico. A candidatura lançada pelo consórcio Minho Inovação, sob a marca “Amar o Minho”, obteve o apoio do Norte 2020 e dos FEEI.

    De sublinhar que, com esta inauguração, o Município de Vila Nova de Cerveira completa a trilogia de homenagem aos três fundadores da Bienal de Cerveira em espaços públicos. O primeiro trabalho artístico remonta a 2016, com o artista brasileiro Elton Hipólito a evocar o mestre José Rodrigues num mural, com oito metros, intitulado de “Lacunas da Memória”, a ocupar uma fachada do Cineteatro de Cerveira; e desde 2017, a fachada principal da Casa do Artista exalta o pintor Jaime Isidoro com uma intervenção artística da autoria de Ana Torrie, onde surge o pintor, acompanhado do seu gato de estimação.

    COLABORACIÓNS

    Sentir común

    Allá por el año 2014, el lema de una gran compañía "gallega" se dejó sentir por nuestro pueblos y ciudades. Si os fijáis, lo he puesto entre comillas lo de gallega porque, de eso, lo único que tiene es el dinero de todos nosotros. Comencemos por el principio y no vamos a dar nombres porque la mayor parte de nuestros lectores ya saben o empiezan a intuir a lo que nos vamos a referir.

    Ácido y Caracola

    Todo comenzó hace muchos, muchos años, cuando Caracola aun vivía feliz, en el fondo del mar. De todas las princesas marinas que habitaban en las profundidades, ella era la más querida y la preferida de Océano, el Señor de todos los mares, y como tal, poseía todo aquello que pudiera desear

    Francisco Castro, «O cemiterio de barcos»

    Francisco Castro regresa de novo á novela xuvenil, un territorio no que xa ten demostrado que se desenvolve con soltura, para presentarnos unha narración que se move en dous planos diferentes.

    Bizcocho de plátano

    No sé si consumir plátano canario en este momento puede ser una pequeña ayuda a los palmeros que están pasando por esta situación tan dolorosa, que desde aquí cuesta imaginar; pero si con esto podemos aportar un granito de arena, lo haremos.

    Colaboradores

    Alberto Aliaga Sola
    12 POSTS0 COMMENTS
    Ángel Covelo
    6 POSTS0 COMMENTS
    Bea Sanfa
    5 POSTS0 COMMENTS
    Manrique Fernández
    46 POSTS0 COMMENTS
    Paz de la Peña
    35 POSTS0 COMMENTS
    Ricardo Canosa Bastos
    14 POSTS0 COMMENTS
    Roberto Mera
    2 POSTS0 COMMENTS